Viagem ao Atacama dia 23 – Salta – Resistência

Sem títuloResolvemos levantar bem cedo, pois nosso trecho hoje seria de mais de 800 km, e pelo quente Chaco argentino. A funcionária da pousada fez questão de levantar mais cedo para nos preparar um café da manhã. Pegamos a estrada e logo estávamos passando por dentro de Salta. Apesar do pouco que vimos nos pareceu uma bela cidade, digna de uma visita com mais tempo.

Pegamos a ruta 9 e rumamos para Resistência. Rodovia muito boa, pista dupla, a viagem estava fluindo bem. Logo a mamata acabou. Entramos na ruta 16, que era pista simples e o asfalto não estava muito bom. E pra piorar, em vários trechos estava em obras. Andávamos um tempo em asfalto ruim e outro em terra. Pelo menos o calor não estava grande. Mas no geral estávamos desenvolvendo bem. Paramos só pra abastecer e almoçar.

Ao chegar e Sánez Peña, começa a chover. Já era umas cinco horas da tarde. Paramos para vestir as roupas de chuva e voltamos a estrada. O transito estava ficando cada vez mais pesado e a noite chegou rápido. Acabamos entrando na “exponencial noturna”.  Esse termo significa que a medida que escurece ou piora a chuva, você diminui sua velocidade média e apesar da distancia entre você  e seu destino estar diminuindo, o tempo para chegar não diminui, permanece o mesmo. Veja só:

Quando começou a escurecer estávamos a 120 km de Resistência. Como nossa velocidade média era de 120 km/h, se permanecêssemos nessa velocidade chegaríamos em uma hora. Mas faltando 100 km para chegar a chuva piorou e ficou mais escuro. Achei melhor diminuir a nossa velocidade para 100 km/h. Portanto ainda seria necessário uma hora pra chegar. Depois de andar mais 20 km, as condições de visibilidade pioraram e então reduzi a velocidade para 80 km por hora. Como ainda faltavam 80 km, eu iria gastar uma hora pra chegar. Percebem que por mais que eu me aproximasse do destino, eu sempre precisaria de uma hora pra chegar? Nessa brincadeira eu gastei 2,5 horas para percorrer 120 km.

Chegamos a Resistência após duas horas e meia debaixo de chuva. Muito cansados e encharcados. Por sorte já havia feito uma reserva, no mesmo hotel onde havia ficado hospedado na viagem do anos anterior. Por coincidência as duas vezes que chegamos a Resistência foi debaixo de muita chuva.

Nos acomodamos, pedimos uma pizza e apagamos. É lógico rezando pra amanhecer com sol.

Leave a Reply